Estudos de casos de reabilitação de centros históricos foram o destaque do primeiro dia do encontro internacional realizado em Bilbao, na Espanha, dentro da agenda do Programa Internacional de Cooperação Urbana (Iurc) América Latina, do qual a Prefeitura de Manaus participa até esta sexta-feira, 20/10.

O primeiro dia da agenda internacional contou com recepção dos organizadores e debates em grupos temáticos, além de apresentação dos delegados de cada região/país/cidade, finalizando com uma palestra sobre regeneração urbana de Milão (Itália) e São Paulo, feita pelo oficial de planejamento urbano da Commune di Milano, Francesco Vescovi, e pelo assessor sênior da Secretaria de Urbanismo e Licenciamento da Prefeitura de São Paulo, Pedro Martin Fernandes, respectivamente.

“Participamos, ativamente, dentro do termo de cooperação assinado com a Iurc, de diversas ações, trabalhos temáticos e intercâmbio rico em troca de experiências, buscando a reabilitação de áreas históricas, resiliência urbana e atuação em transformações urbanas, como estamos desenvolvendo agora, nesta agenda. Falamos dos projetos desenvolvidos e lançados pelo prefeito David Almeida, como as obras do ‘Nosso Centro’”, explicou o vice-presidente do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), arquiteto e urbanista Claudemir Andrade. Ele viajou a convite e tem as despesas pagas pela União Europeia.

Nesta quinta-feira, 19/10, o encontro contou com visita à Câmara Municipal de Bilbao, com apresentações de projetos estratégicos pelo conselheiro Asier Abaunzua, e do programa Bilbao Ria 200, criado a partir de uma parceria público-privada para fazer a gestão das iniciativas de regeneração urbana, com financiamento das intervenções utilizando fundos interinstitucionais e europeus, bem como lucros provenientes da venda de terras públicas reconstruídas. Pela tarde, o grupo conheceu o patrimônio industrial da cidade, incluindo um passeio de barco até o mar, na ponte Bizkaiko Zubia. A transformação da cidade começou com a inauguração do Museu Guggenheim Bilbao, sendo um case de regeneração urbana, da transformação de áreas abandonadas e do desenvolvimento pós-industrial.

Bélgica

Na sequência, de 23 a 24 de outubro, Manaus participa do evento anual da Iurc, em Bruxelas, na Bélgica, com a apresentação de estudos de casos de sucesso, visão geral dos impactos globais do programa e oportunidades de conexão e insights com especialistas de alto nível.

Para o vice-presidente do Implurb, o projeto “Nosso Centro” se encaixa perfeitamente no debate. O programa de Manaus fortalece a identidade do centro da capital amazonense, por meio de intervenções no domínio público, com legado para a arquitetura e desenvolvimento urbano inovador, juntamente com melhorias previstas para sustentabilidade, habitabilidade e regeneração urbana.

“No Centro, estamos reativando espaços existentes e criando um amplo ambiente público, que vai desempenhar um papel fundamental na vida dos moradores do entorno, dos visitantes e turistas de Manaus. Será um local do encontro entre os diferentes grupos culturais e sociais, composto de mirante, largo e casarões revitalizados, mas também pelas ruas, para a prática da caminhabilidade, com acesso completamente gratuito”, explicou Andrade.

Anual

A Iurc América do Norte e a América Latina organizam o evento, em combinação com o evento anual Iurc Global, que acontecerá em Bruxelas, de 23 a 24 de outubro de 2023. Cidades, áreas metropolitanas e regiões participantes do programa e as áreas geográficas da América Latina vão apresentar os destaques da sua participação, as lições aprendidas e as aspirações para o futuro da sua cooperação. Além disso, os representantes terão a oportunidade de estabelecer redes e trocar ideias para desafios semelhantes no desenvolvimento urbano sustentável.

Reabilitação

Desde 2021, Manaus integra o programa Iurc América Latina, tendo como cidade-irmã Nápoles, na Itália. A prefeitura, via Implurb, assinou um termo de cooperação internacional, oficializando os trabalhos para acelerar o desenvolvimento urbano em governos com objetivos semelhantes.

As duas cidades-metrópoles compartilham experiências urbanas, arquitetônicas e de patrimônio, com diferentes estratégias e ações voltadas para a preservação dos seus territórios.