Nesta terça-feira (04/07), ao visitar fábrica produtora de condicionadores de ar que recebe incentivos fiscais da Zona Franca de Manaus (ZFM), o governador do Amazonas, Wilson Lima, reforçou que a reforma tributária que tramita na Câmara Federal precisa dar garantias de que o modelo econômico que emprega 500 mil pessoas – direta e indiretamente – no estado precisa ser preservado.

O governador visitou a fábrica Daikin Ar Condicionado Amazonas Ltda, localizado no bairro Tarumã, zona oeste. Ele destacou que o Amazonas é o segundo maior produtor mundial do segmento e que sua visita às empresas do Polo Industrial de Manaus reforçam o compromisso do Governo do Amazonas com o modelo.

“A Zona Franca de Manaus é nossa principal atividade econômica, daí o compromisso que o nosso governo tem com essas empresas que geram emprego, que geram renda, geram oportunidades. E a gente tem agora o processo da reforma tributária, que é algo que nos preocupa e a gente tem estado muito atento, participando das discussões no Congresso e também junto ao Governo Federal para que a competitividade dessas empresas sejam mantidas”, ressaltou Wilson Lima.

 Leia também: Corecon-AM abre inscrições para Premiações Econômicas e Prêmio Imprensa Econômica 2023

Ainda nesta terça-feira, o governador também anunciou que estará em Brasília para reunião com a bancada federal e na quarta-feira estará com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para que o Amazonas apresente seu ponto de vista sobre o que garante a competitividade do Polo Industrial de Manaus, incluindo a arrecadação do Estado.

O presidente da Daikin Amazonas, Masaru Kawakubo, que acompanhou o governador, agradeceu a visita e destacou o compromisso com o lado ambiental da empresa líder em produção de ar condicionados em nível mundial.

Sobre a Daikin

Em Manaus, a fábrica da Daikin foi instalada em 2013 e teve o início de sua produção em 2014. Possui, atualmente, 211 funcionários que atuam na produção de dutos, ar condicionados do tipo cassete, splits e multi splits. A fábrica tem previsão de expandir a atuação em Manaus e já possui um terreno pronto para duplicar a capacidade.

A empresa japonesa de climatização foi fundada em 1924 e está presente em todos os continentes, com mais de 90 bases de produção e seus produtos vendidos em 173 países, com faturamento global anual de USD 29,5 Bilhões. No Brasil, presente desde 2011, além do Amazonas, está também nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco e Rio Grande do Sul.

FOTOS: Diego Peres / Secom