Após um encontro com o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), disse ter recebido a garantia de que o decreto de redução do IPI será reeditado para retirar produtos produzidos na Zona Franca de Manaus (ZFM).

Autoridades do Estado alertavam que a redução do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) em até 25% afetaria negativamente a ZFM, por colocar em desvantagem empresas que já têm condições especiais de produção.

“Tivemos a garantia de que os produtos fabricados na Zona Franca de Manaus que tem já o seu PPB [Processo Produtivo Básico] não sofrerão esta redução do IPI, o que garante às empresas que estão instaladas no Polo Industrial de Manaus a produtividade, garantindo que elas permaneçam lá e mantendo os empregos gerados”, afirmou Lima, em entrevista no Planalto.

Bolsonaro, segundo o governador, se comprometeu em assinar o novo decreto em uma cerimônia em Manaus, ainda em março.

O governador não respondeu sobre a expectativa de impacto econômico da medida.

Assinada por Bolsonaro na véspera do Carnaval, a redução de IPI foi repudiada pela Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam). Em nota, a entidade apontou o que considera uma contradição no que havia sido sinalizado pelo próprio governo federal.

“[A medida] reduz o apelo da produção local e torna mais vantajosa a produção em outras Unidades da Federação que não possuem as dificuldades logísticas e peculiaridades do Amazonas”, argumentou a Fieam.

Procurada, a Secretaria de Comunicação da Presidência da República ainda não se manifestou.