As vendas do comércio cresceram 0,8% em janeiro, na comparação com dezembro, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Mesmo com o avanço em janeiro, o varejo brasileiro não conseguiu reverter as perdas de 1,9% de dezembro, de acordo com dados revisados.

O IBGE destacou, porém, que a alta de 0,8% de janeiro foi o primeiro resultado positivo, fora da faixa considerada de estabilidade ou de queda, desde julho do ano passado.

Na comparação com janeiro de 2021, o comércio varejista caiu 1,9% – sexta taxa negativa consecutiva nesta base de análise.

O resultado de janeiro, porém, veio melhor do que o esperado. Pesquisa da Reuters apontou que as expectativas eram de avanço de 0,3% na comparação mensal e de queda de 2,65% sobre um ano antes.

Em 12 meses, o varejo acumula alta de 1,3%, o que representa uma perda de fôlego frente ao avanço de 1,4% nos 12 meses acumulados até dezembro.

Veja o desempenho de cada um dos segmentos :

  • Combustíveis e lubrificantes: -0,4%
  • Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo: -0,1%
  • Tecidos, vestuário e calçados: -3,9%
  • Móveis e eletrodomésticos: -0,6%
  • Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria: 3,8%
  • Livros, jornais, revistas e papelaria: -2%
  • Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação: 0,3%
  • Outros artigos de uso pessoal e doméstico: 9,4%
  • Veículos, motos, partes e peças: -1,9% (varejo ampliado)
  • Material de construção: -0,3% (varejo ampliado)

A receita nominal do varejo restrito acumulou alta de 1,5% em janeiro, frente a dezembro. Na comparação com janeiro de 2021, houve alta de 10,6%.