Quinhentas toneladas de madeira descartadas por mês no aterro sanitário agora serão destinadas a indústrias do polo oleiro, graças ao termo de cooperação assinado no dia 10, na Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), pelo Sindicato da Indústria de Olaria do Estado do Amazonas (Sindicer/ AM) e a Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp). A madeira proveniente da poda das árvores em todo o município será trocada por tijolos para uso nas construções das obras públicas de Manaus.

A assinatura do termo de cooperação representa a união de esforços para a implementação de sistema de trocas, objetivando o recolhimento de resíduos de podas de árvores realizadas pela Semulsp para entrega às empresas associadas ao Sindicer/Am, que se responsabilizarão por sua destinação final, entregando à Secretaria, como contrapartida, produtos cerâmicos produzidos por suas empresas filiadas.

“O termo de cooperação é muito importante para o setor cerâmico e, principalmente, para o meio ambiente, inclusive já estamos implantando de fato o projeto nas olarias e reduzindo drasticamente o número de resíduos que seriam levados para os aterros sanitários”, disse o presidente do Sindicer/ AM, Francisco Belfort.

Conforme o documento assinado, compete à Semulsp, dentre as atribuições, efetuar o recolhimento e armazenagem temporária dos resíduos; auxiliar com o procedimento de carga dos caminhões que farão o transporte dos produtos até a destinação final; disponibilizar estrutura para acondicionamento temporário e realizar acompanhamento, para fins de conhecimento, dos processos operacionais do projeto.

O Sindicato da Indústria de Olarias deverá realizar a retirada do material no local indicado pela Prefeitura Municipal, e proceder o transporte, a segregação e a destinação final ambientalmente adequada, nos termos da legislação vigente, além de realizar a operação de logística dos resíduos, conforme o acordo entre as partes.

Para cada quatro caixas de resíduos de podas, em formato de toras de madeira entregues pela Semulsp, as empresas deverão entregar mil tijolos. Quantidade igual de tijolo também deverá ser entregue em troca de três caixas de resíduos triturados oriundos das podas pelo serviço público de limpeza.

“A parceria foi firmada no sentido de dar destinação aos resíduos advindos das podas da arborização urbana. Antes da parceria, esses resíduos iriam para o aterro, o que, do ponto de vista ambiental, é ruim, pois diminui a vida útil dos mesmos. Por outro lado, o setor cerâmico necessita desse material para utilizar nos fornos para a produção de tijolos e outros produtos, e tem grande dificuldade de conseguir material legalizado e em quantidade suficiente para atender a demanda”, ressaltou a gerente e coordenadora de Meio Ambiente, Recursos Naturais e Responsabilidade Social da FIEAM, Renée Veiga.

O secretário da Semulsp, Sabá Reis, na ocasião da assinatura do ato, relatou que mais de 500 toneladas mensais de madeira vão deixar de ir para os aterros sanitários, contribuindo para a preservação do meio ambiente. Agora os troncos e galhos das árvores têm como destinação final a incineração, servindo de combustível, alimentando os fornos das empresas de tijolos. “A cidade de Manaus tem muito a ganhar com essa parceria”.

A reunião que homologou a parceria contou com a presença do secretário municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), Ademir Stroski, e do vereador Márcio Tavares, que na ocasião se colocou à disposição para voto favorável na CMM no que for preciso sobre o assunto.