O guaraná é uma alternativa viável para o desenvolvimento do estado? Como potencializar este importante vetor econômico e viabilizar o trabalho de quem o produz? Este é um dos muitos questionamentos nas reuniões que antecedem a realização do Fórum de Desenvolvimento Sustentável do Amazonas, que será realizado nos dias 20 e 21 de junho, no Centro de Convenções Vasco Vasques.

O Fórum reunirá todos os segmentos e atores da economia para discutirem a diversificação econômica das vocações do estado, através de workshops, debates, exposições, além da presença de autoridades e especialistas no assunto, dentre eles, profissionais do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas (Ifam).

“Nós estamos à disposição para continuar contribuindo com o desenvolvimento do Amazonas, por meio do Ensino, Pesquisa e Extensão nesta instituição que já formou centenas de profissionais ao longo de seus 114 anos. Nos orgulhamos de estarmos presentes em projetos, por exemplo, como o Na´kau, que envolve 36 famílias, cumpre sua função social, gera renda, conserva a floresta”, justificou o reitor do Ifam, Jaime Cavalcante Alves.

O projeto a que ele se refere é o chocolate gourmet “Na’kau”, produzido com cacau amazônico selvagem, comprado de produtores de comunidades ribeirinhas agroextrativistas e que nasceu com o objetivo de conservar a floresta amazônica por meio do fornecimento de alimentos éticos e íntegros.