Diante do revés que a safra de grãos no Sul do Amazonas sofreu 10 a 15 anos atrás (as razões quem é do setor sabe), e da retomada nos últimos anos, ainda vai demorar pra vermos nossa safra abastecer o mercado interno. Vários são os fatores, incluindo o mercado aquecido, pois todo produtor rural procura o maior preço para vender seu produto. Aqui não tem e nem é pra ter ou fazer doação, o produtor rural deve procurar quem paga mais.

Contudo, com bases nos dados oficiais que estão no site da Conab, os números do Amazonas são crescentes e animadores.

Em 2019, colhemos 38 mil toneladas de grãos (soja, arroz, feijão e milho)

Em 2020, colhemos 41,7 mil toneladas de grãos (soja, arroz, feijão e milho)

Em 2021, colhemos 54,7 mil toneladas de grãos (soja, arroz, feijão e milho)

Agora, para 2022, a Conab aponta, e o JC registra, a previsão é de 55,2 mil toneladas (matéria abaixo)