O Amazonas inicia 2022 impulsionando a área de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) com o lançamento de oito editais pelo governador Wilson Lima, nesta quinta-feira (27/01). São R $61.210.880,00 em investimentos para apoiar a formação de recursos humanos, pesquisas em áreas estratégicas para o desenvolvimento econômico e socioambiental, além de projetos de popularização da ciência, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas (Fapeam).

“Isso é fundamental levando em conta que a gente está no maior laboratório do mundo, que temos a maior extensão de floresta contínua do planeta. A partir dessas pesquisas a gente consegue encontrar soluções para o nosso dia a dia. A pesquisa e a tecnologia foram fundamentais no entendimento da Covid e no combate à pandemia”, destacou o governador ao ressaltar estudos financiados pelo Estado nessa área.

“Aqui no Amazonas nós tivemos algumas pesquisas que foram financiadas pela Fapeam, uma inclusive da Fiocruz para testar uma das vacinas, para saber a eficácia, dentre outros estudos patrocinados”, frisou.

A diretora-presidente da Fapeam, Márcia Perales, destacou a ampliação dos investimentos em CT&I na atual gestão.

“A cada momento que a gente faz novos investimentos significa que a gente consolida e amplia a política de ciência, tecnologia e inovação do nosso estado. Com isso, a gente traz uma série de benefícios e descobertas que interferem na vida da comunidade. Isso tem uma importância muito grande já que a gente não vê isso acontecer em todos os estados. Aqui a gente tem isso garantido desde 2019”, disse Márcia Perales.

Inéditos

 No pacote de investimentos há dois programas inéditos. Um deles é o Programa Humanitas-CT&I Fapeam, que vai amparar projetos de pesquisa científica, inovação ou de transferência tecnológica para produção de conhecimentos inovadores para soluções de problemas amazônicos na área de Ciências Humanas. Neste edital, são R $2,6 milhões para até 22 projetos no estado.

Outro edital pioneiro é o Programa de Apoio a Doutores (Prodoc/Fapeam), que beneficiará pessoas residentes no Amazonas interessadas em cursar pós-doutorado no país ou no exterior, com projetos em áreas estratégicas e prioritárias no estado.

Recursos Humanos

 Uma das linhas de frente dos investimentos em CT&I da Fapeam é o apoio à formação de recursos humanos. Neste campo, o Governo do Estado investe, em 2022, mais de R$ 51 milhões distribuídos no Programa Ciência na Escola (PCE), Programa de Apoio à Iniciação Científica (Paic) e o Programa Institucional de Apoio à Pós-Graduação Stricto Sensu (Posgrad).

No total, serão concedidas mais de 5 mil bolsas para professores e alunos da educação básica e a estudantes da graduação, mestrado e doutorado.

Márcia Perales destacou que a formação de recursos humanos tem recebido um olhar diferenciado do governador Wilson Lima, que autorizou para este ano reajustes, de 10% a 50%, nas bolsas pagas pela Fapeam, além da inclusão de novas modalidades como bolsas em produtividade em pesquisa, pós-doutorado e pós-doutorado empresarial.

Edital para o interior

Para atender exclusivamente o interior do estado, Wilson Lima anunciou uma nova edição do Programa de Apoio à Interiorização em Pesquisa e Inovação Tecnológica no Amazonas (Painter+). Lançado pela primeira vez em 2020, o programa surpreendeu de forma positiva pelo grande número de inscrições e pela qualidade das propostas submetidas por pesquisadores do interior.

O Painter+ recebe investimento de R $2,5 milhões para fomentar a interiorização da pesquisa aplicada e inovação tecnológica em áreas estratégicas, especialmente, para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do estado. O Programa irá apoiar até 24 projetos no interior.

Popularização da Ciência

Mais de R$ 3 milhões serão investidos pelo Estado em ações de popularização e difusão da ciência no estado, por meio do Programa de Apoio à Realização de Eventos Científicos e Tecnológicos no Estado do Amazonas (Parev) e Programa de Apoio à Ciência, Tecnologia e Inovação (POP CT&I).

“São oportunidades para os pesquisadores de instituições locais, mas que potencializam a projeção do estado do Amazonas e das instituições locais para o Brasil e para o mundo, de forma que a gente consiga inclusive atrair novos grupos de pesquisa para se associar aos nossos. E, assim, a gente fortalece a nossa caminhada”, disse Katia Torres, diretora de ensino e pesquisa da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Amazonas (FCecon).