Em recuperação desde meados do ano passado, a indústria calçadista brasileira gerou mais de 4 mil vagas em junho, somando a geração de 27,5 mil postos de trabalho no primeiro semestre do ano. Com isso, o setor encerrou junho com 293,75 mil pessoas empregadas diretamente na atividade, 73 mil pessoas a mais do que no mesmo período de 2020 e 46 mil a mais do que no mesmo mês do ano passado. O número aponta para um crescimento de 18,6% em relação ao mesmo intervalo de 2021 e uma recuperação plena das perdas provocadas pela crise desencadeada pela pandemia de Covid-19. Hoje a indústria calçadista emprega 5,4% mais do que em 2019. Os dados foram elaborados pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados).

O presidente-executivo da Abicalçados, Haroldo Ferreira, destaca que a indústria calçadista vem em recuperação. Segundo ele, no mercado doméstico, entre janeiro e maio, as vendas de calçados cresceram mais de 21% no comparativo com o mesmo período de 2021. Já nas exportações, no primeiro semestre, foram embarcados 75 milhões de pares, 31,3% mais do que no mesmo intervalo do ano passado. “A indústria calçadista responde rapidamente aos estímulos da economia”, frisa.

Estados
Respondendo por 28% do total de empregos na atividade e sendo a principal empregadora da Indústria de Transformação do Estado, a indústria calçadista do Rio Grande do Sul vem em crescimento. Conforme os dados elaborados pela Abicalçados, entre janeiro e junho, o setor calçadista gaúcho criou 7,2 mil vagas, encerrando o mês passado com 83 mil pessoas empregadas na atividade, 15,7% mais do que no mesmo período de 2021.

Segundo estado que mais emprega na indústria calçadista, o Ceará gerou 3,63 mil postos no primeiro semestre, encerrando junho com 65 mil pessoas trabalhando na atividade, 13,3% mais do que no mesmo mês do ano passado. Assim como no Rio Grande do Sul, a indústria calçadista é a maior empregadora da Indústria de Transformação no Estado.

O terceiro estado que mais emprega no setor é a Bahia, que também possui na atividade a principal empregadora da Indústria de Transformação no Estado. No primeiro semestre, as fábricas baianas geraram mais de 5 mil postos, encerrando junho com 40,8 mil pessoas empregadas na atividade, 29,6% mais do que em junho de 2021.

Com crescimento de 28,7% no estoque de emprego em relação ao ano passado, São Paulo é o quarto maior empregador do setor calçadista nacional. No primeiro semestre, as fábricas paulistas geraram 5,4 mil vagas, encerrando o mês de junho com estoque de 34,25 mil empregos no setor.