Com objetivo de fortalecer o plantio de mandioca para produção de farinha em São Gabriel da Cachoeira (a 852 quilômetros de Manaus), o Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas (Idam) encerra nesta terça-feira (05/04) uma série de atividades voltadas à cultura realizadas em comunidades indígenas.

Entre as atividades estão a visita técnica na Unidade Demonstrativa (UD) de mandioca implantada pela unidade local do Idam como meta do Projeto Prioritário de Mandioca. A UD foi implantada na Cooperativa Indígena Baniwa de Produção e Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Coopibem), distante 4 quilômetros por via fluvial da sede do município. Na localidade, o plantio-modelo da mandioca foi baseado no trio de produtividade e envolve 16 cooperados.

Para o gerente da unidade local do Idam no município, Francimar dos Santos, a ação é um marco histórico para São Gabriel da Cachoeira.

“Nosso município possui população majoritariamente indígena, quatro línguas oficiais além do português e representatividade por 23 etnias, e um enorme potencial de mercado a ser trabalhado”, apontou.

Também foram realizados cursos de Boas Práticas de Produção de Farinha em duas comunidades indígenas do município: na comunidade Cumati, localizada no Médio Rio Xié, distante 160 quilômetros da sede do município, e na comunidade Nossa Senhora Auxiliadora, no Médio Rio Negro, distante 14 quilômetros da sede. Ao todo, o curso beneficiou 44 produtores indígenas da etnia Baré e Tuyuka.

Ainda segundo Francimar, ao final do curso de Boas Práticas de Produção de Farinha, foi lançada a primeira marca de farinha da cidade, assim como o desenvolvimento do rótulo com o padrão comercial vigente e simbologias indígenas, além de apresentar farinhas de qualidade e com potencial de vendas.