Novos modelos de desenvolvimento para o futuro do planeta, priorizando a conservação ambiental e respeitando as populações tradicionais, são os focos dos debates internacionais que acontecerão na Reunião Anual da Força-Tarefa de Governadores pelo Clima e Florestas (GCF Task Force), nesta quinta e sexta-feira, dias 17 e 18 de março, no Centro de Convenções Vasco Vasques, em Manaus (AM).

A abertura do evento, nesta quinta-feira (17), será presidida pelo governador do Amazonas, Wilson Lima, com a participação do embaixador da Noruega no Brasil, Odd Magne Rudd; o representante da Embaixada da Alemanha, Franziska Troger; o representante da Embaixada do Estados Unidos, Glenn Fedzer; entre outras autoridades.

Realizado pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), o evento mobilizou os governadores do Amazonas, Acre e Amapá, o vice-governador do Mato Grosso, além de cinco governadores da Colômbia, México, Indonésia e Peru, e mais de 150 lideranças de diversos países.

O secretário Eduardo Taveira, titular da Sema, destacou a importância do encontro para a elaboração de projetos e atração de investimentos para o Amazonas. “Pode-se dizer que essa semana o Amazonas vai ser a capital mundial do Meio Ambiente. Esse é um dos principais eventos que a gente tem. Vale lembrar que a magnitude dessa reunião contempla 38 estados de 10 países diferentes e todos eles têm uma particularidade: têm florestas em seu território. Além das florestas, o desafio da conservação desse patrimônio natural, além da redução da pobreza”, destaca Taveira.

As temáticas dos debates são sobre conhecimento, tecnologia, inovação, pesquisa, financiamento, parceria, implantação de governança, políticas públicas e outras ações voltadas ao combate das mudanças climáticas e em defesa das florestas tropicais do mundo.

Uma das ações importantes será a assinatura do Plano de Ação de Manaus (MAP), documento que norteará as próximas ações da Força-Tarefa, com foco em encontrar soluções para o desenvolvimento sustentável de regiões com florestas, atuando também em questões complexas como as desigualdades sociais.