Para iniciar um bom dia, o brasileiro inclui em sua rotina, pelo menos, uma xícara de café. Como uma tradição, o café simboliza simpatia, alegria e hospitalidade do povo brasileiro, além de ser um elemento de sociabilidade para diferentes culturas. A popularidade da bebida é tamanha, que neste dia 1º de outubro, comemora-se o Dia Internacional do Café.

No Brasil, o café também representa a excelência do agronegócio, colocando o país na liderança isolada como maior produtor e exportador do mundo e em segundo lugar como maior mercado consumidor da bebida. É o café brasileiro que reúne também o maior número de produtos com o registro de Indicações Geográficas (IGs), totalizando 13.  Além de indicar a sua qualidade, é pelo registro que se vincula o produto a uma forma única de produção, que leva em consideração características do território, da cultura e das pessoas que o cultivam.

Na Amazônia, o estado de Rondônia é responsável por mais e 90% da produção. Aproximadamente 17 mil propriedades de pequena escala em 15 municípios cultivam o produto. É importante ressaltar que a legislação brasileira exige que todas as propriedades rurais localizadas na região Amazônica conservem, no mínimo, 80% da vegetação nativa de sua superfície. O que torna o produtor brasileiro, responsável por grande parte da conservação do bioma.

Atualmente, o Brasil possui aproximadamente 300 mil estabelecimentos produtores de café, dos quais 78% são considerados da cafeicultura familiar, com a geração direta e indireta de mais de 8 milhões de empregos. Tais lavouras produtoras de café, contribuem para fortalecer aspectos econômicos, sociais e ambientais, requisitos indispensáveis para o desenvolvimento sustentável do setor.