As expectativas da indústria da construção para o nível de atividade, número de empregados, compra de matérias-primas e novos empreendimentos avançaram em fevereiro em relação a janeiro deste ano, de acordo com a Sondagem Indústria da Construção (SIC), da Confederação Nacional da Indústria (CNI). O aumento também ocorreu na comparação com os últimos 12 meses. Foram ouvidas 428 empresas, sendo 157 de pequeno porte, 183 de médio porte e 88 de grande porte, entre 1° a 10 de fevereiro de 2022.

O índice de expectativa do empresário em relação ao nível de atividade subiu em 1,2 ponto, para 58,5 pontos e de compra de insumos e matérias-primas passou de 55,9 para 56,9 pontos. O indicador de novos empreendimentos e serviços aumentou 0,8 ponto e alcançou 56,6 pontos. Em relação ao número de empregados, a alta foi de 55,5 para 55,9 pontos.

Construção civil está otimista em relação aos próximos seis meses, diz CNI
De acordo com o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, a expectativa para o nível de atividade atingiu o maior patamar desde o pré-pandemia.

“Nos últimos dois meses, todos os índices de expectativas começaram a subir na comparação com o mês anterior, sendo que a expectativa de contratações cresce há cinco meses. Esse comportamento nos indica um otimismo crescente e cada vez mais disseminado entre as empresas”, explica.

Em janeiro, a atividade e o emprego da construção registraram queda pelo terceiro mês consecutivo. As quedas de janeiro de 2022, no entanto, foram menos intensas do que as de janeiro de anos anteriores.

Utilização da Capacidade Operacional é a maior para o mês de janeiro desde 2014

A Utilização da Capacidade Operacional (UCO) recuou 1 ponto percentual em janeiro de 2022 relação a dezembro de 2021 e está em 65%. Apesar do recuo, o indicador é o maior para o mês desde 2014, quando a UCO se situava em 70%.