As dificuldades econômicas que vivemos têm como uma das principais causas os reflexos da covid-19, mas a indústria brasileira não negligencia suas responsabilidades para superar os obstáculos causadores do sofrimento do povo, como o desemprego e a deterioração do poder aquisitivo.
Esse período de graves problemas socioeconômicos no Brasil tem exigido da indústria nacional um direcionamento de esforços na tentativa de conciliar interesses, os mais díspares, no mundo da política e da economia nacional.

Também a indústria amazonense tem procurado essa convergência de interesses. Tem tentado com argumentos sólidos e sem grandes atritos costurar acordos que atendam aos interesses de cada corrente de pensamento, ou que pelo menos influencie o mínimo possível nos resultados que objetivamos e pelos quais lutamos na Zona Franca de Manaus (ZFM).
Com essa atitude a indústria local tem obtido alguns sucessos, enfrentado provocações, incompreensões, armadilhas e artimanhas que, como cascas de banana, são colocadas no nosso caminho para escorregarmos. A indústria da ZFM e demais setores da economia têm lutado ao lado da bancada dos nossos representantes no Legislativo Federal, contribuindo sempre que possível com o suporte técnico necessário para que possam convencer seus pares da justeza das nossas reivindicações.

O empresariado local tem apoiado o Governo do Estado e a Prefeitura de Manaus nas medidas que são adotadas para que a economia amazonense possa ter um ambiente favorável para os negócios.

Com esse espírito, a Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM) tem participado de acontecimentos de relevância no cenário político e econômico nacional, como o ocorrido, recentemente, em que acompanhada de 15 empresários da ZFM esteve presente na entrega das 44 propostas de medidas econômicas ao Presidente da República. No ato compareceram também empresários de outros estados e dirigentes da Confederação Nacional da Indústria (CNI).
Esse documento, resultado de um trabalho conjunto desenvolvido na CNI com federações das indústrias estaduais, participação ativa de várias empresas, reuniões dos Conselhos Temáticos da CNI e do Fórum Nacional da Indústria (FNI), deve influir no planejamento e nas decisões do Governo Federal e do Congresso para adoção de medidas capazes de promover a retomada produtiva e de crescimento da indústria nacional como um todo, com consequente geração de empregos em 2022.
As sugestões envolvem temas fundamentais, como infraestrutura, comércio exterior, inovação, financiamentos, meio ambiente, relações do trabalho e eficiência do Estado. Também é dada grande ênfase na redução do Custo Brasil, que afeta todos os estados e, principalmente, o Amazonas, bem como no esforço de aumentar a competitividade da indústria nacional. Por fim, neste Natal, desejo que todas as famílias festejem o nascimento de Jesus com alegria e que no novo ano possamos ver concretizadas nossas esperanças de dias melhores. Feliz Natal e próspero Ano Novo.

 

Por: Antonio Silva/Presidente do Sistema FIEAM